Santa Catarina vacinou apenas 50% do público-alvo contra a gripe

0
109

Com o fim da campanha de vacinação contra a influenza em todo o país na sexta-feira (30), Santa Catarina atingiu 50,4% do público-alvo, ficando abaixo do esperado. A situação preocupa se confrontada com dados das influenzas A e B em 2023 no estado: são 468 casos confirmados e 31 mortes. A vacina segue disponível nos postos de saúde enquanto durarem os estoques.

O último relatório da Dive/SC (Diretoria de Vigilância Epidemiológica) aponta 363 casos de Influenza A e 105 de Influenza B, resultando em 31 mortes.

Em comparação aos últimos cinco anos, inclusive aos anos antes da pandemia, percebe-se um aumento significativo no número de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) por influenza nos primeiros meses do ano de 2023.

Os dados da Dive/SC mostram que os grupos mais afetados pela doença são as crianças com menos de 9 anos de idade, que representam 38,67% dos casos de SRAG, seguido das pessoas com mais de 60 anos de idade, com 29,9% dos casos.

De acordo com a gerente de imunização da Dive/SC, Arieli Schiessl Fialho, esse cenário indica uma transmissão acelerada, que pode se intensificar considerando o período de sazonalidade na transmissão dos vírus respiratórios.

Cinco crianças morreram vítima da influenza em SC

Entre as 31 mortes pela doença, cinco foram crianças, sendo uma de 8 anos, uma de 1 ano de idade e três com menos de 1 ano. Destas, três não apresentavam nenhum tipo de comorbidade.

O grupo das crianças, incluído entre os prioritários, vacinou somente 40% do público-alvo em Santa Catarina, sendo aplicadas 234.981 doses das 534.799 esperadas.

Entre os idosos, o esperado era imunizar 1.148.201, mas foram aplicadas apenas 649.608 (56%) doses.

“A orientação é que os municípios que ainda possuem doses em estoque continuem a vacinação. Quem faz parte dos grupos vulneráveis e ainda não tomou a vacina, procure a sala de vacina do seu município para se vacinar”, reforça Ariel.

Medidas de prevenção orientadas pela Dive/SC

  • Vacinação anual contra a Influenza;
  • Lavar as mãos com frequência;
  • Usar máscara;
  • Evitar ambientes fechados e com aglomeração de pessoas;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosa de olhos, nariz e boca;
  • Manter superfícies e objetos que entram em contato frequente com as mãos, como mesas, teclados, maçanetas e corrimãos limpos com álcool;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como copos e talheres;
  • Atenção aos sintomas: febre, tosse, dor de garganta e dores nas articulações musculares ou de cabeça. É fundamental ao apresentar esses sinais/sintomas, procurar o serviço de saúde mais próximo da residência para o tratamento adequado, em especial os portadores de fatores de risco para agravamento e óbito (idosos, crianças, doentes crônicos etc.), pois estes têm maior probabilidade de apresentar complicações quando infectados pelo vírus influenza.
Artigo anterior‘Carta de amor’: homem é preso por perseguir criança em Maravilha
Próximo artigoInscrições para Cãominhada de Balneário Camboriú terminam nesta quinta-feira