Pantanal teve 14% do bioma queimado apenas em setembro e área devastada já é recorde histórico, diz Inpe

0
833

Quatorze por cento da área do Pantanal foi queimada apenas em setembro deste ano, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O número já supera a área de todo o ano passado e é a maior devastação anual do território causada pelo fogo desde o início das medições, em 2002, pelo governo federal.

A área atingida no ano chega a quase 33 mil km², que equivale à soma do território do Distrito Federal e de Alagoas. No mesmo período do ano passado, a devastação causada pelo fogo chegava a 12.948 km². A devastação observada apenas nos primeiros nove meses deste ano já superam todo o ano de 2019, que teve 20.835 km² atingidos.

Antes do atual recorde, o ano com a maior área queimada era 2005, quando foram destruídos 27.472 km².

Segundo análise da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que é parceira do Inpe no monitoramento da área queimada, 26% de todo o bioma já foi consumido pelo fogo de janeiro a setembro.

Situação nos demais biomas

  • Pampa – As medições já apontam recorde de queimadas. Até setembro, foram destruídos 6.044 km². O recorde anterior, considerando o ano inteiro, era de 2003, quando foram queimados 2.488 km².
  • Amazônia – Se considerado apenas o acumulado entre janeiro e setembro, o bioma teve a maior perda de área desde 2010. Até setembro foram 62.311 km² de área destruída, contra 96.020 em 2010.
  • Caatinga – Houve redução nas queimadas. Elas destruíram 7.775 km² contra 12.443 km² em 2019 e 13.121 km² em 2018, no período entre janeiro e setembro.
  • Cerrado – Também houve diminuição em relação ao ano passado. Foram destruídos 102.390 km² até setembro deste ano contra 122.674 km² de janeiro a setembro do ano passado.
  • Mata Atlântica – A área destruída pelo fogo s se manteve estável. Foram 15.055 km² queimados neste ano, contra 15.020 no ano passado, considerando apenas dados acumulados até setembro.

Avanço do fogo no Pantanal

O monitoramento do governo federal aponta ainda que setembro teve ainda o maior número de queimadas desde o início das medições em 2002. Foram 14.264 focos de calor detectados de 1º a 30 de setembro, mais de 120% maior que o mesmo mês no ano passado.

De janeiro a setembro de 2020, o bioma teve 32.910 focos de queimadas. No mesmo período no ano passado, foram 6.476 focos de queimadas.

Artigo anteriorSicredi Vale Litoral SC comemora 12 anos de história
Próximo artigoSaiba quem terá prioridade na vacinação contra a Covid-19