Homem é condenado a mais de 100 anos de prisão por morte de três irmãs em Santa Catarina

O réu prestou depoimento por pouco mais de 10 minutos e foi sucinto. Argumentou que não lembrava de nada e queria apenas "ir para casa". Sua defesa ainda tentou alegar insanidade mental, não acolhida pela corte. A mãe das vítimas, presente, chegou a passar mal até receber atendimento médico

0
1519

Após mais de 15 horas de sessão, o Tribunal do Júri da comarca de Cunha Porã condenou homem acusado de três assassinatos e uma tentativa de homicídio à pena de 101 anos de reclusão, em regime inicialmente fechado, mais indenização de R$ 600 mil em favor das famílias das vítimas. O júri popular, sob a presidência da juíza Janaína Alexandre Linsmeyer Berbigier, da Vara Única de Cunha Porã, foi realizado no auditório do Sicoob, que ficou lotado até a divulgação do veredicto final.

A segurança no local foi reforçada com 18 policiais cedidos pelo Ministério Público, Núcleo de Inteligência e Segurança Institucional do Tribunal de Justiça, Polícia Militar e Departamento de Administração Prisional. Em clima de emoção, foram ouvidas quatro testemunhas, entre elas o pai das vítimas e um policial militar que atendeu a ocorrência no dia do crime. O réu prestou depoimento por pouco mais de 10 minutos e foi sucinto. Argumentou que não lembrava de nada e queria apenas “ir para casa”. Sua defesa ainda tentou alegar insanidade mental, não acolhida pela corte. A mãe das vítimas, presente, chegou a passar mal até receber atendimento médico.

O conselho de sentença, ao final dos debates entre acusação e defesa, aceitou todas as qualificadoras apresentadas pela denúncia: motivo fútil, recurso que dificultou a defesa das vítimas e meio cruel. O crime foi tratado como feminicídio, fato que resultou na majoração da pena. Todas as teses da defesa foram desconsideradas pelos jurados. O réu, que também teve seus bens bloqueados para garantir a execução da sentença na parte pecuniária, saiu do julgamento algemado e direto para a Unidade Prisional Avançada de Maravilha. Cabe recurso da decisão ao Tribunal de Justiça. A defesa do acusado esteve a cargo dos advogados Heronflin Angelo Dallalibera e Adilson Luiz Raimondi.

Na acusação atuou a promotora de justiça Karen Damian Pacheco, com a assistência dos advogados Gustavo Teixeira e Juliana Andreia Bertoldo. Conforme a denúncia do Ministério Público, o réu, após romper relacionamento com uma jovem de 15 anos, com quem chegou a ter um filho, arrombou a porta da casa da família da ex e passou a atacar duas ex-cunhadas e a própria ex-companheira. Com 23, 12 e 15 anos, todas foram mortas com dezenas de golpes de faca. O marido de uma das irmãs também foi agredido. Ele sofreu 17 perfurações que atingiram órgãos vitais como pulmões e estômago. O homem, contudo, fingiu-se de morto e assim conseguiu pedir ajuda ao vizinho, obter socorro médico e garantir sua vida. O crime ocorreu em 27 de fevereiro de 2017.

Artigo anteriorDeputados Estaduais cobram recuperação de rodovias catarinenses
Próximo artigoMulher defende marido que bateu em filho de 15 dias com pedaço de madeira em Balneário Camboriú