Florianópolis tem 57% dos pontos impróprios para banho, aponta o IMA

0
252

Florianópolis tem 57% dos pontos impróprios para banho, conforme o relatório semanal do IMA/SC (Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina), que foi divulgado no último sábado (7).

Esse é o 7º boletim divulgado pelo órgão do governo estadual nesta temporada. Dos 87 pontos analisados, 50 foram considerados impróprios e 37 prontos para receber banhistas. Confira o relatório na íntegra clicando aqui.

As análises realizadas pelo IMA são baseadas na Resolução Conama 274/2000 e tem como parâmetro a Escherichia coli, que é uma bactéria encontrada no sistema digestivo dos animais de sangue quente.

O local é considerado próprio para banho quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras obtidas em cada uma das cinco semanas anteriores, colhidas no mesmo local, houver, no máximo 800 Escherichia coli por 100 mililitros.

Impróprio, quando no trecho avaliado for verificada uma das seguintes ocorrências:

  • não atendimento aos critérios estabelecidos para as águas próprias;
  • quando o valor obtido na última amostragem for superior a 2000 Escherichia coli por 100 mililitros.

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente afirma que as amostras ainda representam o período de chuvas intensas, “que prejudica balneabilidade de praias do mundo todo. As orientações dos órgãos ambientais brasileiros e até internacionais para que a população não entre no mar por pelo menos 48 horas após às chuvas confirma os fortes impactos na balneabilidade”.

Além disso, a pasta, por meio de nota, alega que realiza operações de fiscalização de esgoto semanalmente. As ligações irregulares de esgoto são identificadas pela prefeitura por meio da Blitz Sanear e direcionadas para que os moradores realizem a regularização.

A prefeitura de Florianópolis e os moradores do Norte da Ilha de Santa Catarina realizaram uma reunião na noite desta segunda-feira (9), na sede da Acadepol (Academia da Polícia Civil), em Canasvieiras. Entre os assuntos, está o alargamento da praia dos Ingleses, Jurerê, a macrodrenagem no Cacupé e a balneabilidade das praias. Confira mais detalhes clicando aqui.

Leia a nota da Secretaria Municipal do Meio Ambiente na íntegra:

Em relação ao saneamento de Florianópolis, são realizadas operações de fiscalização de esgoto semanalmente. As ligações irregulares de esgoto são identificadas pelo município através da Blitz Sanear e direcionadas para que os moradores realizem a regularização.

Ações referentes à obras estruturantes como instalação de redes de esgoto e estação de tratamento são de responsabilidade da CASAN, que tem a obrigatoriedade de realizar manutenção e adequada operação.

O Município notificou início de dezembro a concessionária em relação aos investimentos de saneamento em Florianópolis e segue cobrando para que a mesma atinja as metas contratuais de saneamento na Capital.

É importante também ressaltar que o IMA é a única entidade pública que faz as análises de Balneabilidade em Santa Catarina. A Prefeitura não questiona o trabalho realizado pelo IMA.

No entanto, há de se avaliar que a Metodologia de análise utilizada poderia sim ser aperfeiçoada. Temos apenas uma coleta por semana nos pontos analisados, o que torna o modelo pouco preciso.

Países como Estados Unidos e Austrália fazem análises 03 vezes por dia, ajudando a construir uma fotografia muito mais precisa sobre os padrões de balneabilidade das praias.

As análises do IMA ainda estão representando um período de chuvas intensas, o que, já é sabido, que prejudica balneabilidade de praias do mundo todo.

Às orientações dos órgãos ambientais brasileiros e até internacionais para que a população não entre no mar por pelo menos 48 horas após às chuvas confirma os fortes impactos na balneabilidade.

Artigo anteriorEm 2022, cesta básica subiu nas 17 capitais pesquisadas pelo Dieese
Próximo artigoBombinhas é finalista da premiação internacional Green Destination Story Awards 2023