Bombinhas: a água que movimenta riquezas e tradições

0
235
“Por que todas as nossas praias não podem ser Bandeira Azul?”

Texto de Andréa Luiza Collet e Luciano Moreira – especial

Tinha tudo para dar errado.  Um balneário paradisíaco, onde é fácil justificar que “uma imagem vale mais que mil palavras”, mas com uma densidade demográfica acima do normal, que atrai a cada ano mais e mais turistas, e sem fonte d’água doce capaz de abastecer, sequer, um único bairro da cidade.

Mas, a força e a união de uma miscigenação improvável, fez desse pedaço do litoral catarinense, caprichosamente recortado pela natureza, um dos locais mais aprazíveis, hospitaleiros e tradicionais que se tem notícia.

A pergunta do subtítulo desta matéria foi feita pela estudante Maria Valentina Arantes Leme que, do alto da sabedoria e da experiência dos seus 12 anos de idade, surpreendeu a professora Silvana Leone, coordenadora do Programa Escola do Mar, uma iniciativa da Secretaria de Educação de Bombinhas, com o questionamento tão pertinente.

Sim, Bombinhas tem uma Escola do Mar, afinal, o oceano é o princípio, o meio e o fim do modo de vida da população.  E, sim!  Na Escola do Mar também se fala de rios, de água tratada e de tradições culturais.  Aliás, foi aprendendo sobre a importância de ter água tratada na torneira e serviço de coleta e tratamento de esgoto, que a Maria Valentina formulou a pergunta sobre as praias, pois, como boa aluna, aprendeu que todo rio termina no mar e que não é só a água do mar que define a saúde e a riqueza da população de Bombinhas.

 

Da água e pela água

Quando falamos em miscigenação improvável, estamos incluindo uma nação tupi-guarani, navegantes espanhóis, colonos ericeiros, cidadãos das ilhas portuguesas do Açores e da Madeira e africanos (estes, lamentavelmente, na condição de escravizados) que moldaram os hábitos culturais e as tradições do povo bombinense, cuja alma foi forjada pela essência do azul profundo do mar, que os fez exímios pescadores, talentosos construtores de embarcações e atentos consumidores de tudo o que o mar pode prover, sem causar riscos ao ecossistema que os abençoa.

Mas, para todo bônus, há um ônus. O crescimento populacional constante, aliado à chegada de milhares de turistas na alta temporada, fez da cidade que vivia da água – salgada – a cidade que buscava por alternativas viáveis de água – tratada. Afinal, Bombinhas, desde a sua emancipação, já detinha uma densidade demográfica muito superior à média brasileira, que é de 28,3 habitantes por quilômetro quadrado– 21 vezes mais, segundo dados de 2010 do IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – e, no verão de 2020, o último antes da pandemia de Covid-19, que paralisou o mundo, o território de cerca de 15 mil moradores recebeu mais de 300 mil turistas.

Foto: Andréa Collet

Como colocar água suficiente nas torneiras da cidade e como evitar que o aumento temporário de pessoas colocasse em risco o mar, a sua razão de existir? Um cenário mais sustentável teve início em 2016, quando a empresa Águas de Bombinhas venceu a licitação municipal da concessão dos serviços de abastecimento de água e captação e tratamento de esgoto.

A primeira medida da empresa foi trazer do Rio Tijucas, que banha o município vizinho, de mesmo nome, por meio de uma tubulação de 27 quilômetros de extensão, água suficiente para suprir a demanda sempre crescente. Entre 2016 e 2022, a universalização da distribuição de água tratada tornou- se uma realidade.  Foram mais de 50 milhões de reais investidos em uma planta de tratamento que, hoje, é capaz de produzir 140 litros de água tratada por segundo.

Com a questão da água ajustada, a coleta e o tratamento de esgoto se tornaram prioridade. Afinal, zelar pela qualidade da água das praias de Bombinhas é tão imprescindível quanto a da água das torneiras que abastecem a população. Condição essa que outorgou às praias de Mariscal, Quatro Ilhas e Conceição a chancela do selo Bandeira Azul. Com rigorosos critérios, a certificação ambiental internacional é renovada a cada ano, considerando 34 itens avaliados, sendo o mais importante, justamente, a qualidade da água.

 

Bombinhas segue com três praias premiadas pelo Bandeira Azul

 

A implantação do sistema de coleta e tratamento de esgoto é vital não apenas para a obtenção de uma certificação internacional, mas sobretudo para que os ecossistemas marinho e costeiro se mantenham saudáveis para todas as formas de vida – inclusive a humana. Desde novembro de 2021, a concessionária vem implantando a rede coletora, que já conta com 16 quilômetros de tubulação e uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE). Até o fim de 2024, a meta é alcançar 154 mil metros de tubulações de coleta de esgotos e 26 estações elevatórias. Desta forma, será possível elevar o patamar atual de 18% das residências conectadas à rede de esgotamento para 100% de cobertura na área urbana.

 

Um passo à frente

Esse prazo antecipa a proposta do Objetivo 6 do Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas, que almeja, até o ano de 2030, “alcançar o acesso a saneamento e higiene adequados e equitativos para todos”, bem como “melhorar a qualidade da água, reduzindo a poluição, eliminando despejo e minimizando a liberação de produtos químicos e materiais perigosos, reduzindo à metade a proporção de águas residuais não tratadas e aumentando substancialmente a reciclagem e reutilização segura globalmente”.

Foto: Luciano Moreira

E toda ação positiva nesse cenário vai impactar diretamente no ODS 14, que foca na conservação e uso sustentável do oceano e dos recursos marinhos. Numa indissociável conexão, o cumprimento das metas do ODS 6 são vitais para que as do ODS 14 também sejam alcançadas. Até 2025, deseja-se “prevenir e reduzir significativamente a poluição marinha de todos os tipos, especialmente a advinda de atividades terrestres, incluindo detritos marinhos e a poluição por nutrientes” – oriundas, essencialmente, das ações antrópicas.

 

E a tradição?

Novamente, volta à cena o cotidiano da Escola do Mar. Com um currículo amplo, baseado no letramento oceânico, com as infinitas possibilidades da economia azul, tem como objetivo também valorizar e resguardar a sabedoria ancestral, entre elas a pesca artesanal, que faz parte do cerne da cultura bombinense. Assim, descendentes de tradicionais famílias de pescadores se conectam à riqueza material e imaterial da arte da pesca, ampliam a concepção da importância da conservação e do cuidado de seu território para que outra meta da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, mantenha-se real na Costa Esmeralda: “o acesso dos pescadores artesanais de pequena escala aos recursos marinhos e mercados”.

Silvana Leone – coordenadora do Programa Escola do Mar

Silvana Leone – coordenadora do Programa Escola do MarE é a própria professora Silvana Leone, já surpreendida pela esperta Maria Valentina, uma das principais promotoras do resgate e pertencimento em relação à cultura e às tradições, que explica: “buscamos conscientizar os alunos da Escola do Mar de que temos que dar oportunidade à vida, e o princípio determinante para isso é a manutenção da possibilidade de o meio ambiente continuar sendo protagonista”.

Completando o raciocínio iniciado pela professora Silvana, o aluno Noah Parmeggiani de Castilhos, de 11 anos, vai além: “se não tratarmos o esgoto, ele vai para a terra, contamina e adoece as pessoas e o meio ambiente”.

Ou seja, vem da sabedoria inata dos mais novos e da compreensão diferenciada deles, o caminho para que Bombinhas mantenha seus atrativos, sua identidade e seu status diferenciado.

Assim, pode-se afirmar aos alunos do Programa Escola do Mar, em especial aos espertos Maria Valentina e Noah, que, com os esforços coletivos, integrando poder público, iniciativa privada e esse protagonismo juvenil que tem feito diferença – e se tornado referência –, que num futuro não muito distante a sua indagação e a sua assertividade tornem-se um vislumbre de que todas as praias de Bombinhas – que tem 60% do seu território inserido em uma APA (área de Preservação Ambiental) –,  estejam ostentando muito mais do que uma certificação ambiental, quem sabe, exemplos a serem seguidos por todo o planeta. E vocês, da nova geração, tornem-se os verdadeiros guardiões de toda a vida gerada a partir das águas – sejam elas doces ou salgadas.

Artigo anteriorRepresentantes de SP realizam visita técnica para conhecer Proposta Curricular da Educação Infantil de Itapema
Próximo artigoPaciente recusa ajuda, mas SAMU consegue impedir suicídio em Balneário Camboriú